A SALA DE AULA EXPANDIDA NA EXTENSÃO: A PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DA PRÁTICA EXTENSIONISTA À FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA

Amanda Wecker, Claudia Maria Teixeira Goulart, Betina Ritzel, Fernanda Garcia Secco, Nicole Bonetti

Resumo


Na Universidade Feevale a extensão objetiva proporcionar o desenvolvimento e o exercício das competências aprendidas na graduação. Dentre os projetos de extensão encontra-se o Jovem Aprendiz Feevale, que atende jovens em situação de vulnerabilidade, preparando-os para o ingresso e manutenção no mercado de trabalho de forma autônoma e qualificada. Além de beneficiar os jovens, a participação de acadêmicos possibilita a integração dos conhecimentos construídos, tornando-os mais significativos a partir das vivências. O objetivo deste estudo é verificar a percepção dos acadêmicos atuantes como voluntários, bolsistas ou estagiários, tendo sua prática ligada principalmente ao desenvolvimento de oficinas, sobre as contribuições da prática extensionista no Projeto Jovem Aprendiz Feevale para sua formação em Psicologia. Foi realizada uma pesquisa exploratória e descritiva, com coleta de depoimentos de oito acadêmicos que atuaram nesta extensão de 2015 a 2017, para relacionar aspectos teóricos trabalhados na graduação com a prática vivenciada na extensão. Os dados foram analisados através da análise de conteúdo. A partir dos depoimentos, identificou-se os principais componentes curriculares que atuaram como ferramentas teórico-técnicas para embasar a prática extensionista: psicologia do desenvolvimento e psicopatologias; ética; técnicas de entrevista e processos de grupos; psicologia social; orientação profissional e desenvolvimento de carreira; psicologia clínica; psicologia institucional e gestão e desenvolvimento de recursos humanos. Considera-se, portanto, que uma gama representativa de conhecimentos estudados e ligados aos diferentes eixos estruturantes trabalhados durante o curso foi integrada através da prática extensionista, proporcionando um campo de experiências e conhecimentos que articulam teoria e prática, estimulando a inquietação intelectual dos alunos.

Palavras-chave: Extensão. Psicologia. Formação profissional. Jovem Aprendiz.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, S. Esse sujeito adolescente. 3ª ed. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edição revista e ampliada. São Paulo, SP: Edições 70, 2011.

BLEGER, J. Temas atuais: entrevistas e grupos. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2003.

BOCK, A. A Psicologia a caminho do novo século: identidade profissional e compromisso social. Estudos de Psicologia. v. 4, n. 2, p. 315-329, 1999. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

BOCK, A et al. Sílvia Lane e o Projeto do Compromisso Social da Psicologia. Psicologia e Sociedade. v. 19, edição especial 2, p. 46-56, 2007. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

BOCK, A; FURTADO, O; TEIXEIRA, M. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Editoria Saraiva, 1999.

BRASIL - Secretaria Nacional de Juventude. Conceitos fundamentais: ponto de partida para uma reflexão sobre políticas públicas de juventude. Estação Juventude. Brasília: SNJ, 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico (1966). 6ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2009.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CODO, W. Educação: carinho e trabalho. 4ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, CPF. Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2005. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, CFP. Ano da formação em Psicologia 2018: Revisão das diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

FEEVALE – Universidade Feevale. Plano de Desenvolvimento Institucional 2016/2020. FEEVALE, Novo Hamburgo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

FEEVALE – Universidade Feevale. Psicologia: sobre o curso. Novo Hamburgo; 2017. Disponível em , acesso em 22 de jul. 2017.

GOULART, C. Relatório de Extensão do Projeto Jovem Profissional Feevale. FEEVALE, Novo Hamburgo, RS, 2010.

GOULART, C. Relatório de Extensão do Projeto Jovem Profissional Feevale. FEEVALE, Novo Hamburgo, RS, 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese dos indicadores de 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

KRAWULSKI, E. A orientação profissional e o significado do trabalho. Rev. ABOP, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 5-19, 1998. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2019.

LIMA, C; GOULART, C. Projeto Jovem Profissional FEEVALE: indicadores de impacto 2007-2010. Revista Conhecimento Online, Novo Hamburgo, RS, ano 5, v. 1, 13 p, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

PAPALIA, D.; FELDMAN, R. Desenvolvimento humano. 12ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

PICHON-RIVIÈRE, E. Teoria do vínculo (1982). 7ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

RAUBER, S. Extensão universitária e formação profissional: indissociáveis no processo de aprendizagem da Universidade Católica de Brasília. 2008. Anais eletrônico: VIII Congresso Nacional De Educação Educere Edição Internacional, III Congresso Ibero – Americano Sobre Violências Nas Escolas – Ciave. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

ROLLINO, C et al. Contribuição de um projeto de extensão comunitária na formação acadêmica. In: DALMOLIN, B; HENRICH, G; GODINHO, L. (Org.). A extensão universitária no protagonismo e na qualificação da formação do estudante. UPF: Passo Fundo, v. 5, 2017. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

ZIMERMAN, D; OSÓRIO, L. Como trabalhos com grupos. Porto Alegre: Artmed, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.33053/cataventos.v11i2.8168

Apontamentos

  • Não há apontamentos.